Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 28 de outubro de 2016. Atualizado às 16h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 28/10 às 17h29min

Juros futuros reduzem queda e fecham perto da estabilidade

Os juros futuros encerraram a sessão desta sexta-feira perto da estabilidade, com viés de queda, em sessão pautada sobretudo pelo exterior. O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no terceiro trimestre acima das estimativas e a informação, divulgada no meio da tarde, de que o FBI reabriu a investigação sobre os e-mails de Hillary Clinton no período em que era Secretária de Estado foram os destaques do dia, com influência direta sobre os ativos domésticos.
Ao término da negociação regular, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2018 tinha taxa de 12,22%, de 12,25% no ajuste de ontem. O DI janeiro de 2019 fechou com taxa de 11,54%, ante 11,56% no ajuste anterior. A taxa do DI janeiro de 2021 ficou em 11,33%, de 11,34%.
Os juros tiveram uma manhã de volatilidade, batendo máximas logo após a divulgação do PIB norte-americano que reforçou a percepção de que os Fed funds devem mesmo ser elevados em dezembro, em linha com o comportamento dos juros dos títulos do Tesouro dos EUA. O PIB cresceu 2,9% na taxa anualizada na primeira estimativa do terceiro trimestre, acima da previsão de +2,5% dos analistas.
No final da manhã, contudo, as taxas se acomodaram, passando, no início da tarde a operar em baixa e a atingir as mínimas, em meio a declarações do presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfjan, em entrevista concedida ao Valor Pro. Entre outros pontos, ele disse que se os dados de inflação melhorarem, o BC vai reagir.
Na última hora da sessão regular, porém, o recuo das taxas esfriou na medida em que a notícia sobre Hillary ampliava a aversão ao risco, levando o juro dos Treasuries às mínimas. De acordo com a rede CNN, o diretor do FBI, James Comey, disse que está investigando novos e-mails da candidata à presidência dos EUA pelo Partido Democrata, uma medida surpreendente faltando 11 dias para as eleições presidenciais. Quando ocupava o cargo de Secretária de Estado, Hillary deixou de usar o e-mail oficial para usar servidores privados. Ela enviou e recebeu cerca de 61 mil mensagens através de sua conta privada e grande parte do conteúdo era classificada como secreta. As bolsas aqui e em Nova York passaram a cair, enquanto o dólar ampliou o avanço ante as moedas de economias emergentes. A T-Note de dez anos chegou a bater em 1,831%, de 1,841% no final da tarde de ontem, mas às 16h43 estava em 1,846%.
Para adicionar ainda mais cautela, o petróleo acelerou o movimento de queda após o Iraque e o Irã se recusarem a congelar suas produções de petróleo, de acordo com a Dow Jones Newswires. Iraque e Irã alegam que suas produções de petróleo foram subestimadas pela Opep.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia