Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 28 de outubro de 2016. Atualizado às 14h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aeroportos

28/10/2016 - 15h43min. Alterada em 28/10 às 15h43min

Editais de concessão de 4 aeroportos devem sair em novembro e leilão em março

O secretário de articulação para investimentos e parcerias do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Marcelo Allain, afirmou nesta sexta-feira (28) que os editais para a concessão de quatro aeroportos que o governo pretende entregar à iniciativa privada devem sair em novembro, com o leilão previsto para março de 2017. São eles Porto Alegre, Florianópolis, Salvador e Fortaleza. A declaração foi dada durante seminário na Fundação FHC.
Allain também comentou que o governo editará ainda este ano uma Medida Provisória (MP) que trata de renegociação de projetos já concedidos, mas que por algum motivo não estão andando de acordo com o planejado. Ele disse que essa situação atinge principalmente concessões feitas nos últimos três anos e que foram afetadas pela forte recessão e pela Operação Lava Jato, mas afirmou que não existe um mapeamento de quantos projetos podem estar nessa condição.
O secretário explicou que, em alguns casos, um dos concessionários enfrenta problemas financeiros e poderia haver mudanças em algumas condições no projeto, mantendo a licitação original. Em outros, o projeto em si tem problemas na sua estrutura e seria preciso decretar a caducidade e relicitar a obra.
A MP da relicitação já era para ter sido apresentada, mas fontes apontam divergências entre o secretário-executivo do PPI, Moreira Franco, e o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Allain negou que haja diferenças dentro do governo e afirmou que a MP não saiu no mês passado, quando foram apresentados os 34 projetos iniciais a serem licitados, porque o assunto ainda não estava maduro. "É um tema complexo e nós trouxemos mais gente para a discussão", comentou.
O representante do PPI também se disse otimista com o novo leilão da distribuidora goiana de energia Celg-D, após a primeira tentativa de vendê-la ter fracassado. Ele apontou que o valor mínimo exigido foi reduzido e disse que haverá uma boa demanda pelo projeto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia