Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de outubro de 2016. Atualizado às 15h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Aviação

Alterada em 10/10 às 15h39min

Tarifa aérea doméstica média foi de R$ 322,44 no 1º semestre, alta de 0,2%

A tarifa aérea média doméstica real no primeiro semestre desse ano foi de R$ 322,44, um aumento de 0,2% em relação ao mesmo período de 2015, quando a tarifa ficou em R$ 321,66, informou nesta segunda-feira (10) a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).
O dado consta no 35º Relatório de Tarifas Aéreas Domésticas da entidade. O levantamento também mostra que o valor do yield tarifa aérea médio doméstico real, isto é, o valor pago pelo passageiro por quilômetro voado, foi de R$ 0,28838/km, uma redução real de 0,2% na comparação com os primeiros seis meses do ano passado.
A Anac ainda informa que cerca de 58,3% dos assentos comercializados entre janeiro e junho deste ano possuíam tarifas domésticas menores que R$ 300 - no mesmo intervalo de 2015, essa proporção era de 61%.
O estudo também indica que 9,5% dos assentos no período foram comercializados com tarifas inferiores a R$ 100, enquanto os assentos com custos superiores a R$ 1.500 representaram 0,4% do total - nos primeiros seis meses do ano passado, 12,9% dos assentos foram vendidos a tarifas inferiores a R$ 100, enquanto 0,8% possuíam custos acima a R$ 1.500.
A entidade ressalta que o Estado do Espírito Santo apresentou as menores tarifas aéreas domésticas médias reais no primeiro semestre desse ano, com R$ 260,30, enquanto Roraima registrou o maior valor médio, de R$ 560,31. Em termos de yield, o Estado com maior índice foi Minas Gerais, com R$ 0,3925/km, enquanto o Amazonas apresentou o menor indicador, com R$ 0,2240/km.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia