Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de outubro de 2016. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 05/10/2016. Alterada em 04/10 às 20h14min

Eleições gerais

Os últimos acontecimentos políticos e as gravíssimas irregularidades mostradas pela Operação Lava Jato, sem sombra de dúvida, comprovam que o País não se recuperará através apenas da troca dos titulares da presidência e vice-presidência da República, pelos substitutos legais na linha sucessória. O mesmo ocorrerá quanto aos possíveis candidatos evidenciados pelos partidos, se eleitos pelo Congresso, pois também não agradam à maioria da população e não se firmaram como verdadeiros líderes. Visto que os atuais parlamentares não conseguiram debelar a atual crise econômica e jamais farão a indispensável reforma política de que necessitamos urgentemente, está claro que só eleições gerais poderão resultar numa solução total e definitiva para os problemas do Brasil. É isto que os sindicatos, as demais entidades de classe, a sociedade civil e o povo poderão alcançar, se começarem a exigir. (Adelino O. Soares, advogado)
Eleições municipais
As eleições deste ano foram espartanas, sem o financiamento das pessoas jurídicas, das empreiteiras. E acho isso muito positivo. Os candidatos foram às ruas, falaram com eleitores, distribuíram os populares "santinhos" e, assim, julgo que o pleito foi muito melhor. Quem convenceu os eleitores acabou vencendo. No entanto, uma ressalva: os candidatos que já eram, no caso, vereadores, levaram vantagem - da qual não têm culpa - pela exposição natural que já tinham. Mas foi um bom pleito e sem sujeira nas ruas. (Anamélia dos Santos, Porto Alegre)
Eleições municipais II
Os que perderam as eleições ficam repetindo a mesma desculpa: foi o resultado de um golpe parlamentar, midiático e jurídico. Mas como, e os milhões de brasileiros que votaram contra eles não podem escolher? Basta desta vitimização burra. Perderam. Renovem, mudem o discurso chato e tentem de novo na próxima eleição. Simples assim. (Alfredo Carlos Ventura, Porto Alegre)
Corrupção
A divulgação da corrupção recente faz com que os apoiadores dos indiciados fiquem lembrando corrupção - segundo eles - ocorrida há 20 ou 30 anos passados. E daí? Não estavam no governo? Por que não investigaram. Ou é aquela teoria de que "os nossos corruptos são menos corruptos do que os de vocês"! Ridículo. (Roque dos Anjos, estudante, Porto Alegre)
Nudez
Agora chamam de "nudes" nas tais de "redes sociais". Mas, para mim, que passei dos 50 anos, é nudez mesmo. E as novelas estão exagerando e mostrando cenas de quase sexo explícito em horários bem antes das 23h, que era um limite aceito. Menos "nudes" nas tevês! (Júlio César Mesquita, Guaíba/RS)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia