Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 16 de outubro de 2016. Atualizado às 21h51.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 17/10/2016. Alterada em 16/10 às 20h36min

Frases e personagens

Deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM)

Deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM)


FREDY VIEIRA/JC
"Recebi sugestões do Colégio Notarial do Brasil (CNB) para replicar, no Brasil, o modelo espanhol de combate à lavagem de dinheiro baseado em informações de cartórios. Desde 2005, a Espanha tem agência mantida pelo Consejo General del Notariado (versão local do CNB) que fornece informações aos órgãos policiais, administrativos e judiciais sobre operações suspeitas." Onyx Lorenzoni (DEM), deputado federal, sobre medidas de combate à corrupção.
"Temos, por exemplo, compra e venda de imóveis com o objetivo de lavar dinheiro, ou a criação de empresas por pessoas que não são os verdadeiros titulares." Também Onyx Lorenzoni, sobre propostas do Ministério Público Federal (PL 4.850/16).
"A gente precisa dar uma satisfação muito clara para a sociedade por que razão a reforma da Previdência será feita. Se a sociedade não compreender, o governo não terá êxito no Plenário da Câmara." Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara Federal.
"Essas reformas são como corrida com obstáculos. Se você cair no primeiro, não tem o segundo. Então vamos terminar bem o primeiro obstáculo, que é o teto dos gastos públicos, para a gente poder entrar no segundo. Até porque o segundo é mais polêmico, é mais confuso de compreensão." Também Rodrigo Maia.
"A decisão da Petrobras em reduzir os preços da gasolina e do diesel é positiva para a inflação e reflete a nova política da companhia. Não houve interferência do governo federal na decisão. A mudança no preço da gasolina é uma decisão da Petrobras." Henrique Meirelles, ministro da Fazenda.
"É uma decisão clara da Petrobras e autônoma. Essa é uma das características dessa política econômica: respeitar a realidade. A Petrobras tem que seguir sua política, de uma empresa que tem responsabilidade com seus acionistas e com o País." Também Henrique Meirelles.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia