Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de outubro de 2016. Atualizado às 00h12.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 13/10/2016. Alterada em 12/10 às 22h28min

Frases e personagens

FREDY VIEIRA/JC
"O encontro Brasil/Alemanha de 2017 será realizado no Rio Grande do Sul. Esperamos centenas de empresários alemães aqui no Estado, com vistas a investimentos. E precisamos de controle do orçamento federal. Temos 12 milhões de desempregados no Brasil. E farei de tudo para pagar o 13º salário. Mas empréstimo no Banrisul não dá mais." José Ivo Sartori (PMDB), governador do Estado.
"Não tenho preconceito algum com as parcerias público-privadas. Estamos analisando, vendo o que poderia ser modificado e ofertado à iniciativa privada. O Estado tratar de mineração não é mais algo viável, por exemplo. E teremos, em 2018, mais 2 mil brigadianos." Também José Ivo Sartori.
"A PEC 241 ajudará o País a retomar o crescimento econômico. A aprovação dessa PEC é a certeza de que os investimentos voltarão." André Moura (PSC-SE), líder do governo na Câmara dos Deputados.
"Lamento a aprovação da PEC 241. Foi um dia tristíssimo para o País. A medida vai retirar direitos sociais previstos na Constituição. A sociedade agora está se dando conta do que estamos votando. Eu espero que a resistência a essa proposta cresça e a gente consiga superar mais para frente." Jandira Feghali (PCdoB-RJ), líder da minoria na Câmara.
"A aprovação final no Congresso da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que estabelece um teto para o gasto público terá impacto positivo para o rating soberano brasileiro, mas o reflexo não deve ser imediato. É a PEC do equilíbrio fiscal, do crescimento e do emprego." Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, em Nova Iorque.
"Não há dúvida que haverá impacto. As agências de rating têm um processo normal de aguardar os desdobramentos. A aprovação da PEC é um passo fundamental para a melhora da avaliação de risco brasileira. O item mais importante do rebaixamento do Brasil foi exatamente a questão fiscal, a trajetória das despesas públicas." Também Henrique Meirelles.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia