Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de setembro de 2016. Atualizado às 16h48.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

28/09/2016 - 16h49min. Alterada em 28/09 às 16h50min

Temer diz que Brasil viveu 'isolamento externo' nos últimos anos

Agência Brasil
O presidente Michel Temer disse hoje (28) que o Brasil precisa acabar com o "relativo isolamento" da política exterior dos últimos anos e criticou acordos comerciais classificados por ele de "insuficientes". Temer também comentou a situação do Mercosul, que, segundo ele, está retomando o "caminho da normalidade", mas precisa ser revisado no que diz respeito à estrutura tarifária e celebração de acordos em novas áreas.
Ao abrir os trabalhos da 111ª reunião do Conselho da Câmara de Comércio Exterior (Camex), no Palácio do Planalto, o presidente pregou a melhora da situação do Brasil no comércio exterior como fator-chave para a retomada do crescimento e para a geração de empregos. Segundo Temer, o país ocupa hoje o 25ª lugar no ranking de exportadores mundiais, posição que pode ser melhorada por meio de uma política "eficiente" que passe pela "redução do chamado custo Brasil" e superação de "gargalos em infraestrutura" e outros elementos que encarecem as exportações brasileiras.
"A Organização Mundial do Comércio é foro importante para o combate aos subsídios agrícolas, mas é preciso dedicar mais esforços a acordos com parceiros selecionados. Precisamos romper o relativo isolamento externo dos últimos anos. Negociamos poucos acordos, insuficientes em número e em impacto efetivo sobre nosso intercâmbio com o resto do mundo", disse.
Sobre o acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia, Temer disse que a negociação precisa ser acelerada, mas destacou que o bloco sul-americano também tem outras prioridades internas.
"No Mercosul, estamos retomando caminho da normalidade. Precisamos de um Mercosul ágil e moderno, que sirva de plataforma para que atuemos fortalecidos no cenário internacional. Isso exige o enfrentamento de muitas questões, da própria revisão da estrutura tarifária desse bloco à celebração de acordos em novas áreas, da eliminação de barreiras ao comércio intrabloco à modernização dos procedimentos, muitas vezes lentos e excessivamente burocráticos", ponderou.
Temer defendeu medidas urgentes para reverter a "relativa perda de participação dos produtos brasileiros" na América Latina nos últimos anos.
A Camex é um órgão ministerial que recebe consultas de representantes do setor privado e tem como objetivo a formulação de políticas relacionadas ao comércio exterior, turismo, investimentos e competitividade internacional do Brasil.
Em julho deste ano, ainda como presidente interino, Temer editou um decreto que o coloca na presidência do conselho fiscal da câmara e promove outras mudanças do órgão, que também atua punindo práticas como o dumping e alterando alíquotas de impostos de importação e exportação. 
Hoje mais cedo, outro decreto assinado pelo presidente incluiu no conselho os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha; do Planejamento, Dyogo Oliveira; e o secretário secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimentos, Moreira Franco.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia