Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de setembro de 2016. Atualizado às 15h58.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 28/09 às 16h02min

Para Gleisi, virar ré na Lava Jato é uma oportunidade de provar sua inocência

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que se tornou ré na investigação da Lava Jato após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), disse nesta quarta-feira (28) encarar a decisão como uma oportunidade de provar sua inocência.
"Vejo a decisão dessa terça-feira como uma nova oportunidade de provar a nossa inocência. Desde o início desse lamentável episódio insistimos a exaustão que não há uma prova que mostre o recebimento de recursos ilícitos para minha campanha em 2010", afirmou a senadora no plenário do Senado.
Ela ressaltou que o ministro relator da denúncia, Teori Zavascki, disse não ter certeza da ocorrência dos fatos mas, justamente por isso, indicou o prosseguimento do processo.
Gleisi fez críticas à denúncia dizendo terem sido baseadas apenas em delações. De acordo com a senadora, muitos dos delatores da Lava Jato são orientados pelo mesmo advogado, o que comprometeria a isenção das contribuições premiadas.
"Essas questões tiram toda a credibilidade das delações. Um dos delatores apresentou mais de seis versões diferentes sobre os fatos", argumentou a senadora.
Gleisi e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, são investigados desde março de 2015 sob a suspeita de terem recebido R$ 1 milhão de propina de contratos firmados entre empreiteiras e a Petrobras. As investigações apontam que o dinheiro foi usado para custear parte da campanha eleitoral da petista em 2010. Eles negam a acusação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia