Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de setembro de 2016. Atualizado às 14h48.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Funcionalismo

05/09/2016 - 17h40min. Alterada em 06/09 às 14h52min

Tribunal decide que Sartori tem de pagar salário integral de professores

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) julgou favoravelmente nesta segunda-feira (5) o mérito do mandado de segurança impetrado pelo Cpers-Sindicato para garantir o pagamento integral dos salários dos professores estaduais.
Por maioria, os desembargadores do Órgão Especial do TJ-RS mantiveram a liminar que já havia sido concedida em 2015 dentro do mandado no processo 70063914865. A liminar estava valendo, mas o governador José Ivo Sartori (PMDB) não estava cumprindo. 
Mas o tribunal não acolheu a petição feita no mandado de segurança pelo Cpers-Sindicato para que houvesse punição ao governo em caso de descumprimento. Entre elas, o bloqueio de valores das contas públicas estaduais, aplicação de multa e pena por desobediência contra o Sartori.
O relator do processo, o desembargador Nelson Antônio Monteiro Pacheco, justificou que não tinha como atender as punições diante da "notória crise das finanças do Estado". "É compreensível a insurgência do impetrante em nome dos professores estaduais, contudo o cenário financeiro atual do Poder Executivo é crítico e eventual sobrecarga ainda com multa poderá ensejar a inadimplência maior em relação ao funcionalismo público."
A assessoria de comunicação do governo estadual informou, em nota, que a Procuradoria Geral do Estado (PGE) vai recorrer da decisão, como está procedendo em outros casos e voltou a alegar as dificuldades de caixa para não pagar em dia. Em setembro, foram quitados até agora valor de R$ 1,4 mil para cada servidor seguindo novo parcelamento.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia