Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de setembro de 2016. Atualizado às 16h18.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

04/09/2016 - 14h23min. Alterada em 04/09 às 16h18min

G-20/Temer: Há fundamento de que não se pode ter mais gastos públicos

Temer não quis entrar no debate sobre o polêmico aumento de salários do Judiciário

Temer não quis entrar no debate sobre o polêmico aumento de salários do Judiciário


GREG BAKER/AFP/JC
O presidente Michel Temer não quis entrar no debate sobre o polêmico aumento de salários do Judiciário, que tramita no Congresso Nacional. O peemedebista disse que o tema só será avaliado pelo Palácio do Planalto após a tramitação no Senado, mas ressaltou que "há fundamento" de que não se pode aumentar o gasto público.
Ao ser questionado sobre a opinião sobre o reajuste para o judiciário, Temer lembrou que há situação fiscal delicada no Brasil. "Há fundamento de que não se pode ter gastos públicos nesse momento", disse, em entrevista ao fim do primeiro dia da reunião de cúpula das 20 maiores economias do mundo, o G-20.
"Eu vou esperar o Senado decidir. Eu sei que há uma grande divisão no Senado e a minha tarefa será depois da avaliação do Senado", comentou. "Vejo que há grande divisão no Senado, mesmo no PMDB. Há alguns que votam a favor, mas muitos que votam contra. Dependendo do que o Senado decidir, vem para a sanção ou o veto".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia