Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de setembro de 2016. Atualizado às 08h45.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise política

02/09/2016 - 18h48min. Alterada em 02/09 às 18h48min

Efeito Dilma faz Delcídio pedir ao STF devolução de seus direitos políticos

O ex-senador Delcídio Amaral (sem partido-MS) foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedir a devolução de seus direitos políticos. Delcídio entrou com um mandado de segurança na corte máxima nesta sexta-feira (2), apenas 48 horas depois que o Senado fatiou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, cassando seu mandato, mas permitindo à petista que se mantenha na vida pública.
O mandado de segurança é subscrito pelo advogado Figueiredo Basto, que defende o ex-senador na Lava Jato.
O documento pede que "seja concedida em definitivo a segurança, a fim de que seja declarada a nulidade dos atos praticados desde o dia 09 de maio de 2016, retomando-se o feito na fase da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, conforme o que havia sido deliberado na reunião, no sentido de se expedir ofício ao Supremo Tribunal Federal e à Procuradoria-Geral da República para que fossem trasladados os documentos, inclusive o aditamento da denúncia."
O mandado de segurança solicita "alternativamente, caso seja mantida a cassação do mandato parlamentar de Delcídio Amaral, sejam mantidos hígidos os seus direitos políticos".
Delcídio foi cassado em maio deste ano pelo plenário do Senado, por envolvimento na Operação Lava Jato. Foram 74 votos a 0 e uma abstenção.
O ex-senador foi o responsável por uma delação premiada fulminante na Operação Lava Jato. Delcídio citou a ex-presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, o presidente do PSDB Aécio Neves e a cúpula do PMDB no Senado, incluindo o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários