Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de setembro de 2016. Atualizado às 22h29.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 14/09/2016. Alterada em 13/09 às 21h45min

A laranja podre

Marcelo Nitschke
Estamos vivendo tempos curiosos e, no mínimo, estranhos, e falo do mundo. Não há dúvida disso. As discrepâncias são tantas que poderia ficar horas escrevendo. Mas, vamos lá. Governos queixam-se que os jovens vivem o tal "nem nem" (nem estudam, nem trabalham), o que é resultado das parcas condições de educação e estudo e da quase total inexistência de trabalho. Falam em aumentar a idade das pessoas para se aposentar. Absurdo, pois a falta de emprego atinge todas as idades, principalmente os mais velhos. Como vão viver até a idade exigida?
Pelo mundo afora, o que se vê é um tal de Isis promovendo uma guerra santa que ninguém sabe contra o quê ou quem. Apenas matam aberta e violentamente pela TV, redes sociais etc; e que expulsam milhões de pessoas de seus já empobrecidos países. No mundo todo, o crime, com todas suas nuanças, aumenta; a saúde pública se deteriora; a fome e a miséria absolutas assolam. Fumar virou doença; consumir drogas (pesadas ou não) é "fruto do meio". Animais de estimação valem mais que gente. Veículos automotores são submetidos a duras lei, enquanto carroças e bicicletas (que por lei também são veículos) fazem o que querem do trânsito.
Em meio a esse caos, a tecnologia chega níveis nunca imaginados. Desenvolvem-se telefones, TVs, veículos e todo o tipo de utensílio que se possa imaginar, salientando-se a sempre menor quantidade de mão de obra de trabalho utilizada. Os salários, os que ainda são pagos, caem vertiginosamente, assim como as oportunidades. O que mais prospera é o "aluga-se" e o "vende-se".
E por aí o mundo segue com suas mazelas, das quais ninguém arrisca qualquer palpite sobre onde vai, e se é que vai parar. Por muito tempo, estudiosos afirmaram que o planeta se assemelhava a uma laranja O pior é que todos sabemos que laranjas podres em algum momento caem e se espatifam.
Escritor e repórter fotográfico
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia