Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de setembro de 2016. Atualizado às 23h08.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Notícia da edição impressa de 28/09/2016. Alterada em 27/09 às 19h52min

Pesquisas e jornais apontam Hillary Clinton como vencedora no debate

Hillary Clinton parece ter levado vantagem sobre Donald Trump no primeiro debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos. As pesquisas publicadas após o encontro dão vitória à ex-senadora democrata.
No levantamento feito pelo canal CNN com telespectadores, Hillary venceu Trump por larga margem, 62% a 27%. Em outra pesquisa da CNN, com 20 eleitores indecisos da Flórida, 18 consideraram que Hillary foi melhor.
O levantamento feito pelo Public Policy Poll mostrou que 51% dos entrevistados consideraram que Hillary foi melhor, e 40% julgaram que a vantagem foi de Trump. Talvez mais importante para a democrata, a mesma pesquisa mostrou que, entre os eleitores jovens, ela levou grande vantagem (63% a 24%) sobre Trump.
Também ontem, três dos principais jornais norte-americanos dedicaram editoriais ao debate de segunda-feira. Para o New York Times e o Washington Post, Hillary foi a vitoriosa inconteste. Já o Wall Street Journal afirma que mediador Lester Holt, da NBC, foi mais incisivo com Trump do que com Hillary.
O New York Times escreve que "90 minutos nunca seriam suficientes para Trump redimir sua candidatura, mesmo que, por algum milagre, ele o quisesse". Segundo o diário, "Trump tem mentido compulsivamente desde que entrou na disputa", tendo mantido o comportamento no encontro de segunda-feira. Hillary, por sua vez, esteve melhor, defendendo-se bem dos ataques do republicano. "Fez as suas críticas de modo confiante, a partir de um terreno mais alto e mais seguro."
Para o Washington Post, "Donald Trump parece incapaz de mover-se além de seus slogans, que, como sempre, foram baseados em sua visão sombria dos Estados Unidos". O jornal enfatiza a diferença dos candidatos no quesito transparência. "Trump, mais uma vez, ofereceu desculpas falsas por se recusar a liberar suas declarações fiscais. Já Hillary admitiu que estava errada em usar um servidor de e-mail privado."
O Wall Street Journal acusou o mediador, Lester Holt, de parcialidade. "Ele desafiou Trump em relação à sua afirmação dúbia de que tinha se oposto à guerra do Iraque antes da invasão, mas não confrontou Hillary em relação à sua afirmação falsa de que George W. Bush decidiu que os EUA deveriam se retirar do Iraque em 2011."
Na visão do jornal, "Hillary Clinton ofereceu um ataque implacável aos negócios de Donald Trump e a suas qualificações para ser presidente, mas ofereceu poucas razões para acreditar que ela conseguirá tirar o país de seu medo econômico e psicológico". Apesar de considerar que "há poucas dúvidas de que Clinton venceu nos temas debatidos", o jornal aponta que Trump "esteve melhor nas questões raciais e de crime, mostrando simpatia pela assunto, e apelando à 'lei e ordem'", e ironiza ainda que Hillary "tenha uma solução de governo para todas as ansiedades sociais e econômicas".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia