Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 03 de setembro de 2016. Atualizado às 17h33.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

estados unidos

Alterada em 03/09 às 17h35min

Trump vai a Detroit e tenta aumentar popularidade na comunidade negra

O candidato do Partido Republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, disse neste sábado que quer ajudar a reconstruir Detroit, e afirmou a membros de uma igreja frequentada por afro-americanos que "há muitos erros que devem ser corrigidos". Trump tenta aumentar sua popularidade entre os eleitores negros dois meses antes do pleito.
"Eu estou aqui para ouvi-los", disse Trump à congregação Ministros da Grande Fé Internacional, em declarações que incluíam referências a alguns dos seus planos de campanha. "Como eu me preparo para a campanha por todo o país, eu vou ter a chance de expor os meus planos econômicos que serão muito positivos para Detroit".
Sentado na primeira fila estava Omarosa Manigault, uma ex-participante de reality show de Donald Trump, que tem ajudado a guiar a sua campanha para a comunidade negra. Também na audiência estava Ben Carson, o neurocirurgião aposentado que concorreu contra Trump nas primárias do partido e agora está assessorando a campanha. Ele nasceu em Detroit.
Enquanto protestos eram ouvidos do lado de fora, Trump tentava obter o apoio de um eleitorado fortemente alinhado com o democrata Hillary Clinton. "Eu quero ajudá-los a construir e reconstruir Detroit", disse. "Eu compreendo perfeitamente que a comunidade afro-americana sofreu discriminação e há muitos erros que devem ser corrigidos".
Ele também disse que o país precisa de "uma agenda de direitos civis do nosso tempo", com uma melhor educação e bons empregos. Ao contrário do que tem feito com mais frequência na sua campanha, geralmente dirigida principalmente a multidões brancas que apoiam seus planos para os EUA, a visita de Trump a Detroit hoje teve um perfil mais intimista.
Alguns manifestantes tentaram ultrapassar uma barreira para acessar o estacionamento do local do discurso, mas foram impedidos pela segurança da igreja e pela polícia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia