Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de setembro de 2016. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saneamento Básico

Notícia da edição impressa de 30/09/2016. Alterada em 29/09 às 21h12min

PAC 2 tem apenas 25% das obras prontas no Brasil

Dados do instituto e do Dmae, como os da Rede Cavalhada, não batem

Dados do instituto e do Dmae, como os da Rede Cavalhada, não batem


FREDY VIEIRA/JC
Suzy Scarton
Em 2007, teve início o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Ministério do Planejamento. O objetivo da iniciativa era otimizar a aplicação de recursos em áreas-chave para o desenvolvimento do País. Um recente relatório do Instituto Trata Brasil concluiu que, após oito anos de assinatura de muitos contratos da primeira fase do programa, 45% das obras de saneamento ainda estão em execução ou paralisadas. Na segunda fase, somente 25% dos recursos alocados correspondem a obras concluídas até agora. O diagnóstico conta com informações referentes ao final de 2015 e acompanha o avanço de 340 obras, sendo 183 de água e 157 de esgotos.
O relatório lista 12 obras de esgoto do programa em Porto Alegre. Destas, três estão concluídas e uma está com 90,19% do trabalho terminado - todas do PAC 1. Outras seis, do PAC 2, não foram iniciadas, e duas já começaram, mas não se sabe qual o andamento. Em compensação, o relatório não lista nenhuma obra de água na Capital. No entanto, o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) rebate os dados, apontando que algumas dessas seis obras já foram iniciadas.
Segundo o relatório de Dados Gerais de 2016 do Dmae, o ano de 2015 teve o menor investimento em esgoto desde 2007 - apenas R$ 20,7 milhões. Em 2012, por exemplo, foram R$ 192,6 milhões; em 2013, R$ 82,7 milhões; e, em 2014, R$ 29,1 milhões.
O Trata Brasil recebeu os dados referentes em abril. O instituto aponta que, ao final de 2015, apenas 32% das 157 obras de esgoto estavam concluídas. Outras 27% estavam atrasadas (17% paralisadas e 10% não iniciadas). Quanto às 183 intervenções de água, 41% terminaram, enquanto 22% estavam atrasadas e 14% nem começaram.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia