Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de setembro de 2016. Atualizado às 23h08.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Massacre do Carandiru

Notícia da edição impressa de 28/09/2016. Alterada em 27/09 às 23h00min

TJ-SP anula condenação de policiais envolvidos na ação

Uma decisão da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) anulou ontem os julgamentos que condenaram 74 policiais militares pelo massacre do Carandiru, em 1992. Na ocasião, 111 presidiários foram assassinados em uma ação da Polícia Militar - considerada a mais letal intervenção policial já feita em uma unidade prisional no Brasil -, que recebeu autorização para conter uma rebelião no Pavilhão 9 do presídio. Agora, os julgamentos devem retornar à fase inicial. 
Em seu recurso, a defesa alegou que os jurados foram contra as provas apresentadas, além de não terem cumprido o processo legal. Conforme o relator do processo, desembargador Ivan Sartori, não houve massacre, mas sim uma "legítima defesa" por parte dos agentes. Ele votou pela anulação do julgamento e pela absolvição dos réus. Outros dois votos, mesmo discordando da absolvição, votaram pela nulidade, afirmando que não foram apresentados elementos que demonstrassem os crimes cometidos.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia