Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de setembro de 2016. Atualizado às 19h48.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

22/09/2016 - 19h48min. Alterada em 22/09 às 19h49min

Bancário que atropelou ciclistas em Porto Alegre vai a juri em novembro

Ciclistas fizeram ato em fevereiro para marcar os cinco anos do atropelamento na rua José do Patrocínio

Ciclistas fizeram ato em fevereiro para marcar os cinco anos do atropelamento na rua José do Patrocínio


MARCO QUINTANA/JC
O julgamento do bancário Ricardo José Neis, acusado do atropelamento de 17 ciclistas em 2011, na rua José do Patrocínio, bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, será em 23 de novembro. O Tribunal do Júri decidirá sobre a acusação de 11 tentativas de homicídio e cinco lesões corporais apresentada pelo Ministério Público. O bancário aguarda o julgamento em liberdade.
O juiz Maurício Ramires, da 1ª Vara do Júri da Capital, vai presidir a sessão. O fato em 25 de fevereiro de 2011 ganhou repercussão internacional. Dezessete ciclistas do movimento 'Massa Crítica', que costuma pedalar pelas ruas de Porto Alegre divulgando a bicicleta como meio de transporte, foram atingidos por volta das 19h pelo automóvel Golf dirigido por Neis. Ele teria ficado irritado por ter a passagem bloqueada pelo grupo e avançou com o carro para cima dos ciclistas.
A prisão preventiva de Neis foi decretada em 2 de março do mesmo ano. A liberdade provisória ocorreu em 7 de abril do mesmo ano. Em junho de 2012, houve a decisão de levar o acusador ao juri. Em fevereiro deste ano, por ser considerado de relevância social, o processo passou a ser acompanhado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Corregedoria-Geral da Justiça do Rio Grande do Sul (CGJ), para dar celeridade à tramitação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia