Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 15 de setembro de 2016. Atualizado às 21h47.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

rio-2016

15/09/2016 - 21h29min. Alterada em 15/09 às 21h50min

Brasil fatura prata e bronze nos 200m; Marivana vai ao pódio no arremesso de peso

O atletismo do Brasil subiu novamente em dupla no pódio, com Felipe Gomes e Daniel Mendes, na noite desta quinta-feira. Eles ganharam respectivamente as medalhas de prata e bronze na prova dos 200 metros. A dupla competiu na categoria T11 (para atletas cegos). Felipe cravou o tempo de 22s52 para ficar com o segundo lugar, enquanto Daniel cronometrou 23s04 para chegar logo atrás. Eles foram superados por Ananias Shikongo, da Namíbia, que conquistou o ouro com a marca de 22s44, novo recorde paralímpico da prova.
Depois da competição, Felipe disse que "perdeu para si mesmo" ao destacar que se via preparado para conquistar o ouro. "Estava muito motivado e brigando pelo ouro. Mas tive algumas falhas durante a corrida e, quem errou menos, ganhou. Mas estou satisfeito porque subi no pódio", disse o atleta.
Esta foi a quinta medalha de Felipe em Paralimpíadas. No Rio, foram três contandon com esta obtida nesta quinta-feira - as outras foram o ouro no revezamento 4x100m da classe T11-13 e a prata nos 100 metros da T11.
Felipe também já ganhou ouro nos 400m e no revezamento 4x100m nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto, em 2015. O velocista começou a perder a visão aos 6 anos, devido a um glaucoma congênito, seguido de catarata e de descolamento da retina. Sem nenhum resíduo visual, jogou futebol de 5, goalball e, em 2003, conheceu o atletismo.
O Brasil também ganhou nesta quinta-feira o bronze com Marivana Oliveira, no arremesso de peso, na classe F35 (paralisia cerebral para não cadeirantes). Ela alcançou a distância de 9 28m. A alagoana também foi ouro no arremesso de peso nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto.
Ela nasceu com paralisia cerebral e só começou a andar aos 7 anos, quando a família teve condições financeiras de custear uma cirurgia. Em 2008, começou a competir nas provas de campo e, em 2010, mudou-se para o Rio de Janeiro para se dedicar integralmente ao esporte.
Já a velocista Terezinha Guilhermina passou para a final dos 400m, categoria T11, em primeiro lugar. Ela atingiu a marca de 57s87. Thalita Simplício também passou à final, com 58s71. Terezinha cruzou a linha de chegada muito cansada e não quis falar com a imprensa após a prova. A disputa por medalhas nesta prova será nesta sexta-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia