Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de setembro de 2016. Atualizado às 22h45.

Jornal do Comércio

Expointer 2016

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 05/09/2016. Alterada em 04/09 às 21h42min

Expointer tem alta de 12% na comercialização

Depois de dois anos de queda, negócios são puxados pelo setor de máquinas agrícolas, que encaminhou R$ 1,909 bilhões

Depois de dois anos de queda, negócios são puxados pelo setor de máquinas agrícolas, que encaminhou R$ 1,909 bilhões


CLAITON DORNELLES/JC
Luiz Eduardo Kochhann
A movimentação financeira da Expointer voltou a crescer depois de dois anos de queda. A 39ª edição, encerrada ontem, em Esteio, apresentou crescimento de 12,6%, chegando a R$ 1,923 bilhão em negócios ante R$ 1,708 bilhão no ano passado. A variação positiva é resultado da retomada nas vendas de máquinas e implementos agrícolas, único setor a apresentar evolução durante os nove dias de feira. Por outro lado, devido ao clima instável, o número de visitantes no Parque de Exposições Assis Brasil caiu de mais de 500 mil pessoas para 355 mil.
A indústria de máquinas e implementos, que detém a maior participação sobre o total, teve desempenho 12,9% superior na comparação com 2015. Foram encaminhados R$ 1,909 bilhão em vendas de tratores, colheitadeiras, entre outros produtos. "Os números mostram que os produtores estão apostando em tecnologia para alavancar a produtividade", afirmou o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori. Em coletiva de imprensa, Sartori destacou a presença de ministros da Agricultura da Argentina e do Uruguai na Expointer. "A Feira foi importante para promover assuntos de integração do Mercosul", disse.
De acordo com o presidente do Sindicato da Indústria de Máquinas e Implementos Agrícolas do Estado (Simers), Cláudio Bier, além da procura dos agricultores por mais tecnologia, os bons resultados nas safras de soja e milho impulsionaram a comercialização. "O produtor está capitalizado pelos preços das commodities e tem segurança para investir. E, neste ano, temos que destacar que os bancos de fábrica foram protagonistas para obtermos esse resultado", analisou Bier. Antes do início do evento, a expectativa do Simers era atingir o mesmo patamar de negócios do ano passado.
Em relação aos negócios com animais, a feira refletiu o momento recessivo, efetivando um faturamento cerca de 25% menor em venda na comparação com o ano anterior. Neste ano, o volume alcançou R$ 11,78 milhões contra R$ 15,5 milhões em 2015. O primeiro vice-presidente da Farsul, Gedeão Pereira, sinalizou que a queda no PIB reduz o consumo de carne vermelha. A relação já foi calculada pelo economista-chefe da entidade, Antônio da Luz, que projeta uma queda de 0,5 ponto percentual no consumo para cada ponto reduzido no PIB.
Segundo o presidente da Comissão de Exposições e Feiras da Farsul, Francisco Schardong, ainda não foi possível sentir nos preços a alta esperada para o valor dos animais. Porém, ele argumenta que a Expointer é uma vitrine de alta genética para os 32 eventos a serem realizados a partir da feira em todo o Estado.
No pavilhão da Agricultura Familiar, os visitantes deixaram R$ 2,033 milhões em compras, contra R$ 2,2 milhões em 2015. A retração nas agroindústrias foi atribuída, pelo secretário de Desenvolvimento Rural, Tarcísio Minetto, a menor circulação de visitantes. Os mesmos motivos foram usados para explicar a queda, até o meio dia de ontem, no artesanato: de R$ 960 mil para R$ 942 mil.
O volume de financiamentos solicitados aos bancos somou mais de R$ 1,19 bilhão, considerando apenas dados do Banco do Brasil (BB), Sicredi, BRDE e Banrisul. O BB teve a maior procura, protocolando, até a manhã de ontem, mais de 3 mil propostas, que juntas representam R$ 610 milhões, alta de 20%. Na sequência, destacam-se os 556 pedidos solicitados ao Banrisul, alcançando R$ 266 milhões, aumento de 36%. O Sicredi recebeu 994 solicitações com volume pleiteado de R$ 127 milhões, alta de 8%. Somente o BRDE demonstrou valor inferior a 2015, com pedidos totais de R$ 190 milhões para 45 protocolos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia