Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de setembro de 2016. Atualizado às 17h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

empresas

Alterada em 29/09 às 17h41min

Vale aprova termos para venda de fatia na mina de Moatize e Corredor de Nacala

A Vale aprovou novos termos para seu negócio para a venda de parte da mina de carvão de Moatize e do Corredor Logístico de Nacala para a Mitsui. O conglomerado japonês concordou em investir até US$ 450 milhões no ativo, dos quais US$ 255 milhões serão pagos por 15% da participação da Vale na mina - a mineradora brasileira tem atualmente uma fatia de 95% - e até US$ 195 milhões adicionais, condicionados ao atingimento de certas condições, incluindo o desempenho da mina. A negociação com a Mitsui teve início em dezembro de 2014.
De acordo com fato relevante divulgado pela Vale, adicionalmente a Mitsui entrará com US$ 348 milhões por 50% de participação em instrumentos de equity e quasi-equity do Corredor Nacala. A japonesa também concederá um empréstimo de longo prazo de US$ 165 milhões para o corredor logístico.
A Vale espera receber US$ 768 milhões após a conclusão da transação de equity com a Mitsui e até US$ 2,7 bilhões após a conclusão do project finance desenhado para bancar investimentos pendentes em Nacala. As duas transações estão interligadas. A Vale destaca que a conclusão da transação de equity continua relacionada ao êxito do fechamento do project finance, que vem sendo negociado há quase dois anos com bancos japoneses, agências multilaterais e outros bancos.
Os números relacionados à avaliação da mina de Moatize assumem que a mina pagará tarifas sobre os serviços de logística providos pelo CLN, para dar suporte ao pagamento dos US$ 2,7 bilhões do project finance, explica a Vale no fato relevante arquivado nesta quinta-feira, 29, na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).
"O acordo demonstra o comprometimento da Vale e da Mitsui com a transação e reforça o foco das companhias na conclusão do project finance para o CLN. A Vale reitera a importância estratégica da parceria com a Mitsui e a sua confiança na conclusão de ambas as transações de equity e do project finance,no curto prazo", diz o documento, assinado pelo diretor de Relações com Investidores da brasileira, Luciano Siani.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia