Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de setembro de 2016. Atualizado às 18h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 27/09 às 18h39min

Petróleo recua com força com maior ceticismo sobre acordo para impulsionar preço

Os preços do petróleo fecharam em queda de quase 3% nesta terça-feira (27), em meio ao crescente ceticismo dos investidores sobre a capacidade da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de conseguir chegar a um acordo para limitar a produção.
O petróleo WTI para novembro fechou em queda de 2,82%, a US$ 44,67 por barril na Nymex, enquanto o petróleo Brent para dezembro caiu 2,94%, a US$ 46,52 por barril, na ICE.
Membros da Opep estão reunidos nesta semana na Argélia juntamente com outros produtores importantes e deverão discutir amanhã informalmente uma ação coordenada para elevar os preços do petróleo, que foram martelados nos últimos anos.
No entanto, o ministro de energia da Arábia Saudita disse nesta terça-feira que o grupo está trabalhando para chegar a um acordo para congelar a produção em sua reunião de novembro e que nenhum acordo seria anunciado esta semana. O ministro da Energia da Rússia também afirmou que está interessado em reequilibrar o mercado o mais rápido possível e repetiu que um acordo poderia ser fechado em novembro.
"Eu não falei com qualquer pessoa que acredita que um acordo real da Opep esteja próximo", disse Ric Marinha, vice-presidente sênior de futuros de energia da corretora R. J. O'Brien & Associates. Mesmo assim, disse ele, os preços podem cair ainda mais esta semana se o grupo não anunciar um acordo.
Se a Opep chegar a um acordo, isso representaria a primeira ação concreta tomada pelo grupo para sustentar o mercado, desde que os preços do petróleo despencaram no início de 2014. Um esforço em abril para chegar a um acordo de congelamento da produção foi frustrado porque o Irã se recusou a participar. A cooperação do Irã é provável que se mantenha como um ponto de atrito, afirmou o Citigroup em nota.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia