Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de setembro de 2016. Atualizado às 17h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 27/09 às 17h09min

Ouro fecha em queda e vai ao menor nível em uma semana

Os contratos futuros de ouro caíram ao menor nível em uma semana, acompanhando o movimento de baixa demanda por ativos considerados seguros após o primeiro debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos. As eleições têm desviado a atenção dos investidores do mercado de metais nos últimos dias, suplantando até as expectativas relacionadas à possível elevação das taxas de juros no país.
Com esse cenário, o ouro para dezembro negociado na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), fechou em queda de 1,01%, a US$ 1.330,40 por onça-troy.
Após o debate de ontem entre a democrata Hillary Clinton e o republicano Donald Trump, no qual a maioria dos especialistas avalia que a ex-Secretária de Estado tenha tido um melhor desempenho que seu rival, os ativos seguros ficaram pressionador, de acordo com o analista sênior da IronFX Global, Charalambos Pissouros.
"O padrão sugere que os investidores veem Hillary vencendo a eleição como um desdobramento de apetite por risco, enquanto uma vitória de Trump pode levar a um ambiente de aversão", afirmou Pissouros.
Além do cenário político, a valorização do dólar ante o iene também colocou pressão sobre o metal precioso. Os dois ativos costumam operar em direções opostas, já que o ouro é cotado na moeda americana e fica mais caro para o investidor estrangeiro quando ela sobe. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia