Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de setembro de 2016. Atualizado às 16h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Alterada em 27/09 às 16h04min

Jacob Lew: propostas de Temer 'são caminho para que Brasil volte a crescer'

O secretário do Tesouro do Estados Unidos, Jacob Lew, afirmou nesta terça-feira, 27) em encontro com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que o governo americano entende que as reformas propostas pelo presidente Michel Temer "são o caminho correto para que o Brasil volte a crescer e a ter força", mas ressaltou o desafio que será a aprovação dessas medidas.
"É importante ver como o governo Temer está tomando medidas para criar condições de estabilização da economia, após a que pode ser a pior recessão dos últimos 100 anos no Brasil. Acreditamos que pode haver o retorno da confiança às pessoas no setor privado", afirmou Lew. "Essa é uma oportunidade de mudança e são passos importantes para reorganizar o País", completou.
Em rápida mensagem de boas vindas a Lew, Meirelles ressaltou que essa é a primeira visita de um alto funcionário do governo americano ao Brasil após a confirmação de Michel Temer como presidente do País.
"Essa é a primeira visita de um ministro americano ao Brasil nessa nova administração e também a primeira vez que nos encontramos após a cúpula do G20 em Hangzou (na China, no começo de setembro). Essa é uma oportunidade importante para discutirmos temas macroeconômicos do Brasil e dos EUA", acrescentou o ministro.
Além de questões bilaterais e comerciais, Meirelles destacou que o encontro também tratará da cooperação entre os países nas áreas financeira e científica.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia