Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de setembro de 2016. Atualizado às 17h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

27/09/2016 - 14h21min. Alterada em 27/09 às 17h48min

Petrobras só tem a ganhar com fim de exclusividade no pré-sal, diz Parente

Michel Temer recebe Pedro Parente, Presidente da Petrobras

Michel Temer recebe Pedro Parente, Presidente da Petrobras


Marcos Corrêa/PR/JC
O presidente da Petrobras, Pedro Parente, reafirmou nesta terça-feira (27) que a estatal "só tem a ganhar" com o fim da obrigação da exclusividade de ser a operadora única dos campos do pré-sal. "Tem projeto no Congresso cujo objetivo é substituir a obrigação da Petrobras de ser operadora única dos campos do pré-sal por uma opção. A empresa como um todo só tem a ganhar com isso. Se você tem uma opção em vez de uma obrigação é claro que só esta razão já é um benefício muito grande para a empresa e nós defendemos isso sim", afirmou, após encontro com o presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto.
Segundo Parente, o fim da obrigação é ainda mais importante já que a empresa "vive momento importante restrições financeiras". "E se nós somos obrigados a participar de todos os campos, não vamos ter recursos para fazer isso. Isso vai fazer com que a exploração desses campos leve um tempo muito mais longo", afirmou.
O presidente da Petrobras disse ainda que o fim da obrigatoriedade não é positivo apenas para a empresa e sim é importante também para a retomada do crescimento econômico, já que a atração de investimentos vai gerar riqueza e com isso emprego e renda. "É muito importante que o País possa ter outros players e outras empresas que se interessem em fazer esses investimentos", disse.
Parente disse ainda que o governo está trabalhando em outras mudanças no Marco Regulatório do setor e que acredita que em poucos meses haverá um avanço nessa área. O executivo ponderou que não poderia entrar em mais detalhes já que esse assunto pertence ao ministério de Minas e Energia. "Achamos que é questão de meses para que a gente possa ter quadro regulatório favorável", disse, reforçando que o setor pode dar "respostas muitas rápidas na área de investimentos", com as mudanças de regulação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia