Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de setembro de 2016. Atualizado às 17h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

23/09/2016 - 17h26min. Alterada em 23/09 às 17h29min

País fecha 17º mês seguido com retração no número de vagas

O Brasil perdeu 33.953 vagas formais de emprego em agosto deste ano, informou nesta sexta-feira (23) o Ministério do Trabalho. Esse foi o 17º mês consecutivo de retração líquida de postos de trabalho no País. O resultado do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) decorre de 1,253 milhão de contratações e 1,287 milhão de demissões no período.
O número de postos fechados em agosto deste ano foi menos intenso do que em igual mês do ano passado, quando foram extintas 86.543 vagas. A saldo negativo também foi menor que o fechamento de 94.724 vagas formais de emprego em julho de 2016.
No acumulado do ano até agosto, o saldo de postos fechados é de 651.288 pela série com ajuste, ou seja, incluindo informações passadas pelas empresas fora do prazo. Este é o pior resultado para o período desde 2002, quando começa a série histórica do indicador.
No acumulado dos últimos 12 meses, o País encerrou agosto com 1,656 milhão de vagas formais a menos, também considerando dados com ajuste.
Construção civil fecha 22.113 vagas em agosto
A construção civil foi a maior responsável pelo fechamento de vagas formais no mês de agosto, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Ao todo, foram extintos 22.113 postos na atividade só no mês passado, informou o Ministério do Trabalho.
A agricultura apareceu na sequência, com o encerramento de 15.436 vagas com carteira assinada em agosto. Também foram responsáveis pelas demissões líquidas o setor de serviços (-3.014 postos), os serviços industriais de utilidade pública (-488 postos) e a administração pública (-450 vagas).
O resultado do Caged em agosto não foi pior porque a indústria de transformação mostrou uma importante recuperação, com a abertura de 6.924 vagas. Além disso, o comércio (888 postos) e a indústria extrativa mineral (366 postos) também contrataram mais do que demitiram em agosto.
Rio Grande do Sul segue tendência nacional e fecha 1,6 mil vagas
O Estado também registrou queda no número de vagas, com saldo negativo de 1.690 vagas fechadas (84.790 abertas e 86.480 fechadas). A perda foi de 0,07% ante agosto do ano passado, em que houve um retração mais forte, com queda de 0,47% (12.166 vagas fechadas).
As perdas mais significativas de vagas foram registradas no Rio de Janeiro (-28.321 vagas), em Minas Gerais (-13.121) e no Espírito Santo (-4.862). Por outro lado, o emprego formal teve resultado positivo em 13 estados brasileiros, entre eles Pernambuco (9.035 novas vagas), Paraíba (5.905), Alagoas (4.099) e Santa Catarina (3.014).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia