Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de setembro de 2016. Atualizado às 23h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 23/09/2016. Alterada em 22/09 às 23h29min

Ageflor alerta para possível 'apagão florestal' no Estado

Leuck apresentou dados do setor

Leuck apresentou dados do setor


JONATHAN HECKLER/JC
O crescimento da demanda pode superar a oferta de matéria-prima e causar um "apagão florestal" no Rio Grande do Sul, segundo a Associação Gaúcha de Empresas Florestais (Ageflor). A constatação está baseada em dados da segunda edição do relatório Indústria de Base Florestal no RS, lançado nesta quinta-feira. Os números apontam uma redução da área plantada, de 700 mil hectares, em 2010, para 593 mil hectares, em 2015.
Conforme o presidente Ageflor, Diogo Carlos Leuck, mesmo aumentando a área no curto prazo, como as árvores levam ao menos cinco anos para se desenvolverem, existe a possibilidade de faltar matéria-prima a partir do início de 2019. "Se tivermos uma retomada do mercado industrial, como está previsto, teremos um 'apagão floresta'", afirma. Leuck cita a ampliação da planta da Celulose Riograndense e a instalação de novas fábricas de paletes na serra gaúcha, para justificar o aumento da demanda. Além disso, o relatório prevê investimentos de R$ 4 bilhões, entre 2015 e 2020.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia