Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de setembro de 2016. Atualizado às 15h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Alterada em 21/09 às 15h33min

Intenção dos consumidores de gastarem na Black Friday melhorou este ano

Uma explicação possível para essa maior disposição a comprar está na ampliação da busca dos consumidores por descontos e promoções este ano

Uma explicação possível para essa maior disposição a comprar está na ampliação da busca dos consumidores por descontos e promoções este ano


JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
A intenção dos consumidores de gastarem melhorou este ano para um dos principais eventos promocionais do varejo, a Black Friday, segundo dados de pesquisa do Google apresentada nesta quarta-feira (21) em São Paulo. Levantamento feito junto a 800 consumidores identificou que apenas 10% não esperam gastar nada na data promocional de novembro, enquanto no ano passado esse montante superava 20%, destacou a gerente Carol Rocha.
Uma explicação possível para essa maior disposição a comprar está na ampliação da busca dos consumidores por descontos e promoções este ano. De acordo com o responsável pela área de relações com o varejo no Google, José Melchert, as pesquisas feitas pelos usuários no buscador cresceram 60% em janeiro deste ano ante igual período do ano passado.
De acordo com o levantamento, o tíquete médio das compras na Black Friday tende a ser superior à média das vendas no comércio online fora da data. O gasto médio durante o evento é de R$ 1.098, segundo os dados de 2015, mais que o dobro do tíquete no resto do ano, que gira em torno de R$ 450 a R$ 500.
Por conta desse tíquete mais elevado, o pagamento parcelado em cartão de crédito é a principal forma de viabilizar a compra. De acordo com o estudo, 61% dos consumidores utilizaram esse meio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia