Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de setembro de 2016. Atualizado às 16h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

20/09/2016 - 11h35min. Alterada em 20/09 às 16h14min

Em entrevista, Temer prevê fim de déficit fiscal do Brasil em até três anos

Temer reiterou à Bloomberg que não tem ambições políticas para 2018

Temer reiterou à Bloomberg que não tem ambições políticas para 2018


Reprodução Bloomberg/JC
O presidente Michel Temer disse, em entrevista à emissora de TV Bloomberg nesta segunda-feira (19), que o Brasil ainda terá um "pequeno déficit fiscal" em 2018. "Vai demorar dois ou três anos para eliminarmos (o déficit)", afirmou o presidente.
Segundo Temer, a economia brasileira ainda continua em situação muito difícil. "Mesmo que melhoremos apenas um pouco no próximo ano, será um grande passo à frente," notou.
Sobre a Operação Lava Jato, Temer afirmou que não haverá obstruções aos trabalhos de investigação, mesmo que eles passem a focar mais seu partido, o PMDB. "A Lava Jato vai continuar até que seja concluída, e que todos os crimes sejam revelados", disse.
Temer também afirmou que, por não ter ambições políticas em 2018, ficará à vontade para lidar com questões "aparentemente impopulares", como o controle dos gastos e a reforma da Previdência. "Agora que eu assumi a Presidência definitivamente, vou adotar uma postura mais dura na política e economia", disse.
Temer concedeu a entrevista na sede da Bloomberg em Nova Iorque.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia