Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 15 de setembro de 2016. Atualizado às 00h04.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 15/09/2016. Alterada em 14/09 às 21h23min

Dólar sobe a R$ 3,34 e tem maior cotação desde julho

O dólar avançou ontem ao nível de R$ 3,34 no mercado à vista, a despeito de uma atuação menor do Banco Central (BC) através do leilão de swap cambial reverso. Num dia de direção mista no câmbio internacional, o dólar teve uma manhã volátil e só se firmou em alta durante a tarde. O avanço foi alimentado por uma possível redução de liquidez no exterior e por preocupações com o andamento do ajuste fiscal no Brasil. O posicionamento mais defensivo no câmbio local foi intensificado pela queda de quase 3% nos contratos futuros de petróleo e incertezas com a disputa eleitoral no Estados Unidos.
No segmento à vista, o dólar subiu pelo segundo dia seguido e fechou aos R$ 3,3415, em alta de 0,79%, maior nível desde 7 de julho, quando terminou em R$ 3,3617. De acordo com dados registrados na clearing da BM&F Bovespa, o volume de negócios somou US$ 1,170 bilhão. Já no mercado futuro, o contrato de dólar para outubro encerrou em R$ 3,3600, em alta de 0,90%. O volume foi de US$ 18,666 bilhões.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia