Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de setembro de 2016. Atualizado às 23h59.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Pesquisa

Notícia da edição impressa de 15/09/2016. Alterada em 15/09 às 00h03min

Fechamento de empresas em 2014 bate recorde

Construção integra a lista de atividades que mais sofreram reduções

Construção integra a lista de atividades que mais sofreram reduções


ANTONIO PAZ/JC
Em 2014, o País fechou mais empresas do que abriu, o que aconteceu pela primeira vez desde 2008, quando o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) iniciou a série histórica do Cadastro Central de Empresas (Cempre). Essa é uma das principais constatações do estudo divulgado ontem pelo instituto. Segundo o levantamento, em 2014, o Brasil tinha 4,6 milhões de empresas ativas, que ocupavam 41,8 milhões de pessoas. Deste total, 35,2 milhões (o equivalente a 84,2%) eram assalariadas, e 6,6 milhões (15,8%) encontravam-se na condição de sócio ou proprietário.
Segundo o IBGE, apesar do número significativo de empresas existentes em 2014, a taxa de saída do mercado cresceu 6,1 pontos percentuais, passando de 14,6% para 20,7%, em relação a 2013. Com isso, 944 mil empresas deixaram o mercado em relação a 2013, o maior número desde 2008. No período, o número de empresas que entraram totalizou apenas 726,3 mil.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia