Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de setembro de 2016. Atualizado às 19h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 13/09 às 19h26min

Países pedem para que tropas de general abandonem terminais de petróleo na Líbia

Os Estados Unidos e outros cinco países ocidentais têm pedido para as forças leais a um general da Líbia para se retirarem de três terminais de petróleo apreendidos no início desta semana, desenhando uma censura ao Parlamento reconhecido internacionalmente.
Os EUA, França, Alemanha, Itália, Espanha e a Grã-Bretanha pediram para que a Organização das Nações Unidas mediasse o pedido, dizendo que o "petróleo da Líbia pertence ao povo líbio".
As tropas do general Khalifa Haftar assumiram no domingo o terminal de Al-Sedra, o bairro industrial, a área residencial e o terminal de Ras Lanouf, afirmaram as autoridades, dizendo que agora suas forças estavam combatendo as milícias e indo em busca de um terceiro terminal, o al-Zueitina.
"Nós também pedimos a todas as forças que evitem qualquer ação que possa danificar a infraestrutura energética da Líbia ou perturbar ainda mais as suas exportações", disseram os países em um comunicado em conjunto, que também advertiu contra as "exportações de petróleo ilícitas".
O porta-voz do Parlamento, Agila Saleh, disse que o movimento de Hafter foi por uma "demanda popular" e foi autorizada por instituições oficiais da Líbia. Ele disse que as forças de Hafter
"libertaram os campos e os terminais das milícias", referindo-se ao comandante da milícia, Ibrahim Jedran, que comanda uma força chamada Guards conhecida por capturar instalações petrolíferas.
A milícia de Jedran apreendeu os terminais de petróleo há mais de dois anos e tentou exportar ilegalmente no passado.
O conflito na Líbia paralisou seu setor petrolífero, que antes era forte, negando ao país
cerca de US$ 100 bilhões em receitas ao longo dos últimos três anos. De acordo com números oficiais, a Líbia exportou um total de 146 milhões de barris de petróleo em 2015, abaixo dos 531 milhões nos três anos antes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia