Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de setembro de 2016. Atualizado às 21h25.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria Calçadista

12/09/2016 - 20h53min. Alterada em 12/09 às 21h27min

Calçado gaúcho responde por quase 45% da receita externa do setor em 2016

Indústrias gaúchas registram aumento de 44% no volume exportado até agosto de 2016

Indústrias gaúchas registram aumento de 44% no volume exportado até agosto de 2016


Abicalçados/Divulgação/JC
As exportações do calçado gaúcho responderam por quase 45% da divisa externa gerada por todo o setor no País nos primeiros oito meses de 2016. Os dados até agosto somam divisa de US$ 613 milhões, sendo US$ 276,65 milhões gerados pela indústria calçadista do Rio Grande do Sul. A receita gaúcha cresceu 14,2%, e o volume 44%.      
A receita nacional com o produto subiu 0,8%, e o volume, 2,6%, alcançando 76,5 milhões de pares. O estado do Ceará ficou em segundo lugar em receita, somando US$ 159,43 milhões (alta de 2,3%), vendendo 29 milhões de pares (-3,3%) em pares e incremento de 2,3% em valores na relação com o mesmo período de 2015.
A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) indicou que as exportações do setor no País somaram quase 10 milhões de pares embarcados em agosto, com faturamento de US$ 87,7 milhões, alta 27% em valor frente ao mesmo mês de 2015 e de 10,6% em volume.
O presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, atribuiu a recuperação à performance das empresas em feiras, com destaque para a Expo Riva Schuh, na Itália, que somou US$ 26 milhões em vendas. “Apesar do momento macroeconômico não ser dos mais positivos e a volatilidade cambial estar jogando contra o nosso produto, conseguimos bons resultados devido ao bom desempenho nas mostras internacionais, o que aponta para uma maturidade maior do exportador de calçados brasileiro”, avalia Klein.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia