Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de setembro de 2016. Atualizado às 18h17.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 09/09 às 18h21min

Petróleo fecha em queda com ceticismo sobre diminuição do excesso de oferta

Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte queda nesta sexta-feira (9), em contraste com a sessão anterior, quando subiram mais de 4% influenciados por uma queda expressiva dos estoques norte-americanos na semana passada. Hoje, houve realização de lucros e questionamentos sobre se o recuo no número de barris representa uma tendência ou se foi apenas pontual.
Em meio a um cenário de ceticismo dos investidores com uma diminuição do excesso de oferta da commodity, o petróleo WTI para outubro negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em queda de 3,65%, a US$ 45,88 por barril. Já o Brent para novembro negociado na Intercontinental Exchange(ICE), em Londres, caiu 3,96%, chegando a US$ 48,01 por barril. Ainda assim, os dois contratos acumularam ganhos na semana, com o WTI subindo 3,24% e o Brent 2,51%.
Ontem, o Departamento de Energia (DoE) dos Estados Unidos informou que os estoques semanais de petróleo caíram 14,5 milhões em relação à semana anterior, a maior queda em 17 anos, e impulsionou os preços da commodity. Porém, o forte recuo foi interpretado hoje por operadores como um ponto fora da curva devido ao mau tempo, responsável por paralisar parte da produção e impedir que as importações chegassem ao Golfo do México.
"A tempestade da semana passada causou atrasos", afirmou em nota Norbert Rücker, chefe de pesquisa de commodities no banco Julius Baer. "As operações de óleo e gás do Golfo do México voltaram a funcionar e os petroleiros estão fazendo fila para desembarque. A queda nos estoques provavelmente será ofuscada por grandes aumentos na semana que vem", completou.
Além da reinterpretação do mercado sobre os estoques do DoE, os dados da consultoria Baker Hughes, que presta serviço no setor, também fizeram preço. O balanço semanal da empresa mostrou que houve um aumento no número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos Estados Unidos, passando de 407 para 414. Logo após a divulgação do dado, às 14h (de Brasília), os contratos de petróleo aceleraram as perdas e se firmaram em queda de mais de 3%.
Na contramão do sentimento dos investidores, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) informou que a produção de petróleo bruto do cartel recuou 200 mil barris por dia, para 33 milhões, mas o dado não foi suficiente para mudar o rumo dos preços da commodity nesta sexta-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia