Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de setembro de 2016. Atualizado às 17h44.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 06/09 às 17h50min

Petróleo fecha sem direção única com mercado pesando acordo Rússia-Arábia Saudita

Os contratos futuros de petróleo fecharam sem direção única na sessão desta terça-feira (6) com os investidores avaliando o acordo entre a Rússia e a Arábia Saudita - os dois maiores produtores da commodity no mundo - que tem o objetivo de estabilizar o mercado.
O petróleo WTI para outubro negociado na Nymex fechou em alta de US$ 0,39 (0,87%), a US$ 44,83 por barril. O Brent para novembro, negociado na Intercontinental Exchange (ICE) fechou com recuo de US$ 0,37 (-0,77%), a US$ 47,26 o barril.
Autoridades da Rússia e da Arábia Saudita declararam na segunda-feira que formariam um grupo de trabalho para monitorar o mercado de petróleo e criar recomendações para promover a estabilidade. O anúncio puxou os preços da commodity ontem, apesar de boa parte dos ganhos terem sido apagados durante a tarde com o ceticismo dos operadores, que esperam por um congelamento da produção.
"Embora, é claro, a Rússia e a Arábia e todos os outros produtores queiram preços mais altos do petróleo, o que eles realmente querem são preços mais em uma determinada porção do mercado", disse Troy Vincent, analista da ClipperData. "É fácil concordar que os preços idealmente devam subir, mas não é tão fácil de concordar em quem vai ceder sua parte no mercado e por quanto", comentou.
Tem havido especulação sobre um pacto em potencial para congelar a produção com os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) devendo se encontrar em um reunião informal às margens de um fórum de energia na Argélia no final do mês.
Após um encontro com o secretário-geral da Opep, Mohammed Barkindo, o ministro de Petróleo do Irã, Bijan Zangeneh afirmou nesta terça-feira que seu país irá apoiar qualquer decisão da Opep com o objetivo de estabilizar o mercado, de acordo com a TV estatal iraniana. Ele afirmou que a maioria dos membros do grupo quer ver o preço do petróleo entre US$ 50 a US$ 60 por barril.
A fala aparentemente contrastou com os comentários de um diretor da Companhia Nacional de Petróleo do Irã (NOIC). A TV iraniana reportou na segunda-feira que Mohsen Ghamsari, diretor para assuntos internacionais da instituição, disse que a NOIC pode aumentar sua capacidade de produção para 4,3 milhões de barris por dia no primeiro trimestre do ano que vem e eventualmente pode chegar a 5 milhões de barris por dia em dois a três anos. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia