Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de setembro de 2016. Atualizado às 14h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria Automotiva

06/09/2016 - 14h29min. Alterada em 06/09 às 14h35min

Estoque de montadoras cai e não exige mais ajuste de produção, diz Anfavea

As montadoras terminaram o mês passado com 211,4 mil veículos em estoque, um volume suficiente para 34 dias de venda, segundo informou a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), entidade que representa o setor.
O nível de automóveis encalhados nos pátios de montadoras e concessionárias recuou em relação a julho, quando os estoques somavam 222,2 mil unidades e eram suficientes para 36 dias.
Embora o ideal seria um patamar mais próximo de 30 dias, o presidente da Anfavea, Antonio Megale, disse nesta terça que o estoque chegou a nível "razoável", tendo em vista a reação do mercado aguardada para o fim do ano.
Segundo Megale, os estoques se estabilizaram, reduzindo a pressão sobre a produção. "Não há mais necessidade de fazer ajuste de produção (para reduzir os estoques)", comentou o executivo. Segundo ele, a parada das fábricas da Volkswagen em agosto, ajudou a indústria a adequar os estoques.
No esforço para preservar vagas enquanto aguardam a retomada do mercado, as montadoras ainda mantêm 22,3 mil funcionários em esquema de jornada restrita de trabalho.
Segundo informou nesta terça a Anfavea, a indústria automobilística terminou o mês passado com 2,5 mil empregados afastados das fábricas em regime de "lay-off" (suspensão temporária de contratos de trabalho), ferramenta pela qual grupos de operários ficam longe da produção por até cinco meses.
Outros 19,8 mil empregados estão trabalhando em sistema de jornada curta por conta da adesão de suas empresas ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia