Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de setembro de 2016. Atualizado às 22h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tributos

Notícia da edição impressa de 06/09/2016. Alterada em 05/09 às 20h57min

Câmara volta a articular sobre a lei da repatriação

Recursos enviados ilegalmente ao exterior são taxados em 30%

Recursos enviados ilegalmente ao exterior são taxados em 30%


VANDERLEI ALMEIDA/AFP/JC
No exercício da presidência da República desde 31 de agosto, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a defender mudanças na lei de repatriação de recursos enviados ilegalmente para o exterior por empresas e pessoas físicas.
Maia articula novamente a elaboração de um projeto de lei para mudar a regra da repatriação, deixando claro que o Imposto de Renda (IR) e a multa devem incidir apenas sobre o saldo até a data de alcance do programa de repatriação (31 de dezembro de 2014), e não sobre tudo que o contribuinte enviou para fora, como estabelece hoje a Receita Federal.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia