Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de setembro de 2016. Atualizado às 18h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Alterada em 05/09 às 18h04min

Petróleo fecha em alta após anúncio de acordo entre Rússia e Árabia Saudita

O petróleo fechou em alta na Intercontinental Exchange (ICE), em Londres, nesta segunda-feira (5) e operava em alta no final do pregão eletrônico na Nymex, após a Rússia e a Arábia Saudita chegarem a um acordo de cooperação com o objetivo de estabilizar os mercados da commodity. Com o feriado do Dia do Trabalho nos Estados Unidos, os mercados se voltaram para as notícias que envolviam o petróleo.
As duas autoridades - o russo Alexander Novak e o saudita Khalid al-Falih - entretanto, não disseram se seus países vão se juntar aos esforços de congelar a produção.
Os contratos de petróleo chegaram a subir com força e o Brent avançou mais de 5% com as primeiras notícias sobre o acordo, porém perderam fôlego diante do grande ceticismo sobre um possível congelamento da produção nas conversas informais que devem acontecer no fim do mês na Argélia.
Os ministros de energia dos dois maiores produtores de petróleo do mundo, que anunciaram o pacto às margens da reunião de cúpula do G-20, na cidade chinesa de Hangzhou, disseram que os dois países irão criar um grupo de trabalho que se encontrará regularmente e monitorará os mercados.
O ministro da Energia russo, Alexander Novak, disse que os dois países negociam ao lado de outros um pacto para congelar a produção por até seis meses, a partir dos níveis verificados em julho, agosto e setembro. O ministro também comentou que mais países, como Emirados Árabes Unidos, poderão participar do acordo.
Uma autoridade do Irã, entretanto, afirmou que o país planeja atingir suas metas de produção de petróleo, independentemente de um acordo entre a Rússia e a Arábia Saudita.
De acordo com analistas, um freio na produção é "improvável" durante as conversas informais, previstas para ocorrerem no fim de setembro na Argélia. Segundo Abhishek Deshpande, analista do setor no banco francês Natixis, um acordo é improvável pois os sauditas insistem que o Irã participe de um eventual pacto.
Caso não haja acordo, Deshpande calcula que os preços do petróleo vão continuar abaixo de US$ 50 por barril no restante do ano e passarão a subir no fim de 2017.
No final do pregão eletrônico, o petróleo WTI para outubro negociado na Nymex operava em alta de 1,64%, a US$ 45,17 por barril, comparado com o fechamento de sexta-feira, que ficou em US$ 44,44 o barril. O Brent para novembro, negociado na Intercontinental Exchange (ICE) fechou com avanço de US$ 0,80 (1,70%), a US$ 47,63 o barril. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia