Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de setembro de 2016. Atualizado às 14h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria automotiva

Alterada em 05/09 às 14h38min

Volkswagen está perto de acordo para comprar 19,9% da Navistar, diz fonte

A Volkswagen está próxima de um acordo para comprar uma fatia de 19,9% na fabricante de caminhões Navistar International Corp, segundo uma fonte ligada ao assunto. As companhias devem anunciar o negócio nesta terça-feira, que dará à Volks dois assentos no conselho da Navistar.
A Volkswagen pagará cerca de US$ 16 por ação por essa fatia da Navistar. A ação da companhia sediada em Lisle, Illinois, nos Estados Unidos, fechou na sexta-feira em US$ 14,07, o que dá a ela um valor de mercado de US$ 1,2 bilhão. A empresa tem mais de US$ 5 bilhões em dívidas, segundo a S&P Capital IQ.
Como parte do acordo, cujas diretrizes gerais já foram divulgadas pela agência Reuters, as empresas cooperarão na busca por novos produtos, disse a fonte. O negócio não deve dar à Volks a opção explícita de comprar a Navistar, que sofre com um declínio prolongado na demanda do mercado, mas pode ser um passo importante para a compra, avaliou a fonte ouvida.
Em junho, a Navistar informou que reverteu prejuízo e registrou lucro no segundo trimestre, o primeiro da empresa desde 2012, em meio ao corte de custos. A empresa também reduziu sua perspectiva e disse que dificilmente terá lucro em todo o ano atual. As ações da Navistar têm recuado ao longo dos últimos anos - em 2011, elas valiam mais de US$ 50.
A Volkswagen não será o único grande investidor na Navistar. Em 2013, a companhia concordou em permitir que Carl Icahn e Mark Rachesky tivessem cada um uma fatia de 19,9%. Em troca, os investidores desistiriam de qualquer esforço de assumir o controle da empresa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia