Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de setembro de 2016. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Notícia da edição impressa de 05/09/2016. Alterada em 04/09 às 22h34min

Desafio fiscal é o mais urgente, afirma Temer

Michel Temer discursou na abertura da cúpula do G-20, na China

Michel Temer discursou na abertura da cúpula do G-20, na China


BETO BARATA/PR/JC
Em seu primeiro compromisso internacional como presidente, Michel Temer usou o discurso de abertura da reunião de cúpula das 20 maiores economias do mundo (G-20), na China, para afirmar que as reservas internacionais e o regime de câmbio flutuante dão ao Brasil espaço para enfrentar eventual redução da liquidez global. Temer voltou a repetir o discurso de que, para o País, "o desafio econômico mais urgente é de ordem fiscal". "Nosso objetivo primordial é promover um ajuste estrutural dos gastos públicos em um horizonte de 20 anos", disse, ao citar a proposta de emenda constitucional que cria teto para o crescimento das despesas do governo.
Para Temer, o Banco Central tem agido de forma "decisiva" para levar a inflação de volta à meta e cita que o preço das commodities, a política monetária "de alguns países desenvolvidos" e a volatilidade do mercado são elementos que têm "merecido especial atenção" do governo brasileiro.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia