Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de setembro de 2016. Atualizado às 13h30.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 04/09 às 13h31min

Temer diz que decisão sobre Selic é do Banco CEntral

O presidente Michel Temer, durante sua primeira viagem internacional após ser efetivado no cargo, não quis fazer comentários sobre a trajetória do juro no Brasil e reafirmou que o trabalho do Banco Central é independente.
"Vamos esperar. Essa questão, o Banco Central tem de ter, nesse sentido, total autonomia", disse em entrevista a jornalistas brasileiros no hotel onde está hospedado para a reunião das 20 maiores economias do mundo, o G-20, na China.
"Qualquer palavra que eu diga pode influenciar o mercado, eu não posso responder", respondeu o presidente Temer ao ser questionado sobre se concordava com a expectativa do mercado financeiro que se aproxima o momento em que o BC cortará o juro básico da economia.
A taxa básica de juros da economia, a Selic, foi mantida em 14 25% ao ano na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, na semana passada.
A decisão dos diretores da instituição, mais uma vez unânime, foi a nona consecutiva pela manutenção dos juros básicos. Para que o juro comece a cair, informou o BC, um dos fatores seria a redução do preço dos alimentos, que ainda se mantém em patamar elevado no Brasil, apesar da crise.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia