Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 02 de setembro de 2016. Atualizado às 20h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 02/09 às 20h26min

Em Nova Iorque, petróleo fecha em alta com número pior do que esperado do payroll

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta após o relatório de emprego de agosto dos Estados Unidos (payroll) ter saído pior do que o esperado. Entretanto, o petróleo continua abaixo em relação às cotações do começo da semana em meio às preocupações persistentes com o excesso de oferta.
O petróleo WTI para outubro negociado na Nymex fechou em alta de US$ 1,28 (2,96%), a US$ 44,44 por barril. O Brent para novembro, negociado na Intercontinental Exchange (ICE) fechou com avanço de US$ 1,38 (3,03%), a US$ 46,83 o barril
Mesmo assim, o petróleo terminou a semana com queda de 6,72%, em meio as preocupações com o excesso de oferta e com um ceticismo de que os maiores produtores da commodity realmente irão chegar a um acordo sobre a limitação da produção, quando os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) se encontrem na Argélia em setembro.
Apesar da alta nesta sexta-feira (2), alguns participantes do mercado estimam que as preocupações com o excesso de oferta irão continuar a pesar sobre os preços.
"Eu não me surpreenderia de ver preços mais baixos", disse Tariq Zahir, da Tyche Capital Advisors. "Nossa percepção é de que os preços do petróleo irão ficar na faixa dos US$ 40 o barril, e talvez até mais baixo", afirmou.
Os preços da commodity entraram no território positivo após os dados do payroll. Os Estados Unidos geraram 151 mil empregos em agosto nos Estados Unidos, informou nesta sexta-feira o Departamento do Trabalho. Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam crescimento maior, 180 mil postos. O rali continuou, apesar do fortalecimento do dólar.
Além disso, também nesta sexta, a Baker Hughes divulgou que o número de poços e plataformas em atividade nos Estados Unidos subiu um número na última semana nos Estados Unidos, para 407.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia