Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de setembro de 2016. Atualizado às 22h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Turismo

Notícia da edição impressa de 05/09/2016. Alterada em 04/09 às 21h56min

Viagens corporativas têm apoio da tecnologia

Aplicativos auxiliam os departamentos financeiros e de gestão nas compras e planejamento de viagens

Aplicativos auxiliam os departamentos financeiros e de gestão nas compras e planejamento de viagens


VISUALHUNT/DIVULGAÇÃO/JC
Adriana Lampert
O provérbio "Se não pode vencê-los, junte-se a eles" define um novo momento para algumas agências, que, ao invés de recuar frente à concorrência de sites e aplicativos que vêm conquistando os usuários de turismo, resolveram focar na mudança de padrão imposta pela era da economia compartilhada e aproveitar este filão de mercado. Uma delas, a CWT Brasil, tem investido em ferramentas próprias, a partir de modelos já utilizados em outros países. "Entre os aplicativos com maior eficiência estão o CWT To Go, CWT AnalytiQs (plataforma de relatórios), CWT Program Messenger e Client Review", destaca o gerente de vendas da empresa, Adriano Nagao Schissatti, que considera que o uso destas ferramentas voltadas para o turismo é uma oportunidade para o mercado se reinventar, tornando-se mais efetivo e produtivo.
"Não brigamos com as novas tecnologias, pelo contrário: usamos a nosso favor", defende Schissatti. Considerando que há espaço para todos, a agência global com sede no Brasil tem apostado no uso de aplicativos para auxiliar departamentos financeiros e de gestão de empresas na hora de efetuar compras e planejar uma viagem. "Sabemos que não há mais como ficar de fora desta tendência de turismo, ainda mais em um período de retração do consumo." E a proposta agora é disseminar esta informação, explica o gerente. Trabalhando em parceria com companhias aéreas e entidades focadas na gestão de viagens corporativas, a CWT Brasil vem promovendo workshops educativos, a exemplo do que ocorreu na semana passada, em Porto Alegre, que contou com a participação de mais de 40 empresas de diversos setores. O foco do encontro foi apresentar aos gestores novas tendências do mercado voltadas para a otimização de custos e a melhoria da experiência dos turistas do segmento.
De acordo com a diretora do centro de treinamento paulista Academia de Viagens, Viviânne Martins, que também falou durante o evento, os viajantes corporativos têm utilizado cada vez mais aplicativos para realizar check-in aéreo e de hotel, reservas de voo e de hospedagem, solicitação de serviço de Uber, reserva de carros, registros de reclamações, entre outros processos. Em vista de tanta autonomia, o serviço personalizado das agências passou a ser um diferencial, explica Viviânne.
Neste sentido, o mercado já está mudando, ainda que de forma muito lenta, avalia a especialista. "É preciso o entendimento de que estas ferramentas chegaram para ficar, mas não adianta apenas ter os aplicativos, é preciso desenhar a estratégia de atuação", ressalta. De acordo com Viviânne, os quatro novos pilares da gestão de viagens empresariais são o monitoramento, a análise, a estratégia e o foco no controle, na qualidade e na economia. Por isso, é tão importante que as agências considerem o perfil da corporação, de seus funcionários e do tipo de negócio onde atuam. "O maior gargalo no setor tem sido enfrentar a ruptura que ocorreu nos canais de compra, com o advento das iniciativas de economia compartilhada", observa a diretora, sinalizando que aqueles que mantiverem o padrão anterior devem ficar para trás.
Dentre as diversas facilidades já presentes no trade, os indicadores de performance são um dos diferenciais, comenta Schissatti. O CWT Program Messenger, por exemplo, é um programa de mensagens que dispara e-mails para os gestores, notificando se um dos viajantes está fugindo da política de viagens da empresa. "Se por acaso um funcionário compra uma passagem e paga um preço superior ao indicado, porque não atentou ao período de antecedência, o financeiro será informado", exemplifica. Além de disponibilizar ferramentas de gestão, o papel da agência nessa "nova era" de consumo corporativo é propor também soluções de mobilidade para o viajante, além de traçar o perfil do mesmo com análise de dados, viabilizando acesso a conteúdo de fornecedores com tarifas de oportunidade, explica Schissatti. "Também buscamos dar total apoio ao cliente nas negociações através de indicadores de performance, incluindo um monitoramento dos resultados. É uma forma saudável de driblar a concorrência, uma vez que traz valor agregado nos serviços."

Companhias aéreas desenvolvem ferramentas para reduzir gastos com troca de passagens

Gol será a primeira empresa brasileira a oferecer internet a bordo dos seus voos
Gol será a primeira empresa brasileira a oferecer internet a bordo dos seus voos
MARCELO G. RIBEIRO/JC
Um canal de atendimento para agências, que permita isenção de taxas na devolução ou troca de passagens, também deve conquistar o mercado de viagens corporativas. Oferecido pela companhia aérea Delta Air Lines, o novo produto deve reduzir gastos das empresas, que muitas vezes acabam tendo prejuízo na remarcação de voos que haviam sido pagos com muita antecedência. Outra novidade do mercado que chega para otimizar o turismo corporativo é o acesso à internet a bordo, oferecido pela Gol Linhas Aéreas. "A instalação da antena na primeira aeronave foi feita em Miami, nos Estados Unidos, pela equipe da Gogo, nossa parceira e provedora desta tecnologia. As demais, serão feitas pela própria companhia em nosso centro de manutenção, em Confins", explica o diretor de Produtos e Experiência do Cliente da Gol, Paulo Miranda.
O sistema já está homologado pelo Federal Aviation Admnistration (FAA), entidade governamental dos Estados Unidos, responsável pela regulamentação da aviação civil naquele país, e está agora em processo de certificação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A previsão é de que, após a certificação do sistema pelos órgãos brasileiros, o primeiro voo com Wi-Fi seja realizado ainda este ano. E de que, em até dois anos, toda a frota da companhia esteja equipada e pronta para oferecer uma plataforma on-line completa, de acordo com Miranda. "A companhia será a primeira aérea brasileira, da América do Sul e Central, a oferecer esse serviço durante o período de voo, com conexão via satélite." O sistema permitirá acesso à já conhecida plataforma de entretenimento de bordo - que inclui canais de televisão ao vivo, programação por streaming com filmes, séries e desenhos, além do mapa de voo. O acesso ocorrerá todo por dispositivos móveis (tablets, smartphones e notebooks) dos passageiros.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia