Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 02 de setembro de 2016. Atualizado às 12h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mineração

02/09/2016 - 12h54min. Alterada em 02/09 às 13h00min

Vale estima investir menos de US$ 4,5 bilhões em 2017

Ano passado a mineradora realizou investimentos de US$ 8,4 bilhões

Ano passado a mineradora realizou investimentos de US$ 8,4 bilhões


ALEXANDRE MOTA/AFP/JC
A Vale estima que seus investimentos em 2017 deverão cair para menos de US$ 4,5 bilhões em 2017, ante um aporte de US$ 5,8 bilhões previsto para este ano, de acordo com apresentação disponibilizada no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Ano passado a Vale realizou investimentos de US$ 8,4 bilhões.
A mineradora destacou ainda que as transações potenciais envolvendo ativos chave poderão gerar um caixa de US$ 4 bilhões a US$ 6 bilhões. Já os desinvestimentos anunciados anteriormente, incluindo a joint venture de carvão, navios, ativos de energia e fertilizantes, poderão ajudar que a empresa levante de US$ 5 bilhões a US$ 7 bilhões. Os desinvestimentos já concluídos neste ano somam US$ 1,1 bilhão.
Na apresentação a companhia frisa que reduzirá sua dívida líquida para algo entre US$ 15 bilhões e US$ 17 bilhões já no ano que vem. No final do segundo trimestre a dívida líquida da Vale ficou em US$ 27,508 bilhões, alta de 4% em um ano, mas queda de 0,5% em relação ao observado no primeiro trimestre do ano.
"A Vale espera fechar o gap no fluxo de caixa livre em 2016", destaca a apresentação. A projeção da companhia é de um fluxo de caixa livre de até US$ 500 milhões para este ano, sem considerar os desinvestimentos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia