Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 02 de setembro de 2016. Atualizado às 08h00.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 02/09 às 08h02min

Bolsa de Tóquio fecha estável, à espera de relatório de emprego dos EUA

A Bolsa de Tóquio fechou praticamente estável nesta sexta-feira (2), com as ações mostrando desempenho misto, em meio à cautela dos investidores antes da publicação de novos dados do mercado de trabalho dos EUA.
O Nikkei, que reúne as empresas mais negociadas na capital do Japão, teve baixa marginal de 0,01%, a 16.925,68 pontos. Na semana, o índice acumulou valorização de 3,45%.
Os EUA divulgam na manhã de hoje o relatório de emprego de agosto, que terá forte influência na decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), no fim deste mês.
Eventuais sinais de fraqueza no mercado de trabalho dos EUA tenderão a enfraquecer o argumento a favor de novas altas de juros pelo Fed e, consequentemente, pressionar o dólar em relação ao iene.
Exportadoras, que são sensíveis a flutuações no câmbio, caíram em Tóquio hoje. Foi o caso da fabricante de componentes eletrônicos Murata Manufacturing (-2,1%) e da empresa de produtos ópticos Hoya (-3,6%).
Já as seguradoras tiveram ganhos, após os juros de bônus do governo japonês, conhecidos como JGBs, avançarem com a especulação de que o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) poderá começar a reduzir compras de papéis de 20 anos ou mais, como resultado de uma ampla reavaliação de sua política. A Dai-ichi Life Insurance e a T&D Holdings subiram 3,3% e 2,8%, respectivamente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia