Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de setembro de 2016. Atualizado às 22h40.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 14/09/2016. Alterada em 13/09 às 21h33min

Frases e personagens

Ronaldo Nogueira, ministro do Trabalho

Ronaldo Nogueira, ministro do Trabalho


MARCELO G. RIBEIRO/JC
"A convenção coletiva, como o Programa de Proteção ao Emprego, tem que ser um programa para atender a setores afetados por uma crise. A convenção coletiva é que norteará a jornada de trabalho, que continuará em 44 horas semanais, ou oito horas por dia. Nesta quarta-feira, teremos encontro com centrais trabalhistas para fechar a proposta. Direito não se revoga, mas se aprimora." Ronaldo Nogueira, ministro do Trabalho.
"A economia brasileira deverá se estabilizar nos próximos meses sob o estímulo da manutenção da apreciação do câmbio, consequente desaceleração da inflação, recuo da taxa de juro real e flexibilização da política fiscal." Nelson Barbosa, ex-ministro da Fazenda e professor da FGV.
"Tendo a concordar com a maioria dos economistas de que o nível de atividade deve se estabilizar até o final do ano. Isso é o que a gente já falava no final do ano passado e agora é uma opinião cada vez mais consensual. No entanto, alerto que estabilização não é recuperação. Vai se estabilizar, porque vai ter os efeitos expansionistas da apreciação do real e os efeitos expansionistas da queda da taxa de juro real, mais a flexibilização fiscal." Também Nelson Barbosa.
"A querida já foi (presidente Dilma Rousseff). E alguém tem dúvida de que, não fosse minha atuação, teria processo de impeachment?" Eduardo Cunha (PMDB-RJ), deputado federal cassado.
"Não estou preocupado com possíveis revelações que o deputado Eduardo Cunha promete fazer contra políticos. Acho que é normal. Acontece. A vida é assim." Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara Federal.
"Não há justiça sumária. O clamor das ruas não pode ser ignorado, mas não pode sobrepor-se ao essencial: à lei, que é a expressão maior da civilização. Precisamos combater a impunidade e a corrupção, mas não podemos, por exemplo, admitir a prática de um ilícito em nome da correção de outro: não há solução fora da lei." Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia