Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de setembro de 2016. Atualizado às 22h45.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 05/09/2016. Alterada em 04/09 às 20h43min

Frases e personagens

Paulo Kruse

Paulo Kruse


JONATHAN HECKLER/JC
"Representantes de 23 entidades empresariais se reuniram no Sindilojas Porto Alegre a fim de debater a ineficiência da segurança pública no Estado e definir propostas para apresentar ao governo gaúcho. Haverá um Fórum Permanente sobre Segurança Pública, para reunir as proposições e atuar com força e representatividade." Paulo Kruse, presidente do Sindilojas Porto Alegre.
"Nosso objetivo é claro, construir medidas que priorizem a prevenção e combate a insegurança. Os participantes da reunião entraram em consenso de que o resultado do trabalho da Força Nacional já começou a ser percebido pela população, porém não será duradouro e contínuo. Por isso, se julgou necessária a criação de uma política de segurança pública para o Rio Grande do Sul a longo prazo." Também Paulo Kruse.
"A Brigada Militar não vai tolerar depredação e arruaças em Porto Alegre e onde mais seja necessário intervir. A manifestação de quinta-feira passada começou tranquila e virou vandalismo, inclusive nas pinturas do Túnel e Elevado da Conceição." Alceu Freitas, comandante-geral da Brigada Militar.
"Quem fez aquela depredação que vimos em Porto Alegre foram marginais. Não foram cidadãos se manifestando. Os bagunceiros serão responsabilizados, pois, se isso não acontecer, vai virar rotina. Esse bando de arruaceiros não pode ficar impune." Também coronel Alceu Freitas.
"O impeachment de presidente da República implica necessariamente em inabilitação para ocupar cargos públicos. Na votação do Senado, ficou decidida a perda do mandato, mas foi mantida a possibilidade de Dilma Rousseff ser nomeada para cargo da administração pública. Votei dessa forma em 1992, em mandado de segurança proposto pela defesa do ex-presidente Fernando Collor depois do impeachment sofrido no Congresso Nacional." Celso de Mello, ministro decano do STF.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia