Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de setembro de 2016. Atualizado às 21h58.

Jornal do Comércio

Viver

COMENTAR | CORRIGIR

cinema

Notícia da edição impressa de 09/09/2016. Alterada em 08/09 às 19h13min

Um crime peculiar

Recém premiada no Festival de Gramado, ficção O roubo da taça tem inspiração em história real

Recém premiada no Festival de Gramado, ficção O roubo da taça tem inspiração em história real


CATARINA DE SOUSA /DIVULGAÇÃO/JC
Ricardo Gruner
A comédia O roubo da taça saiu do Festival de Cinema de Gramado com quatro prêmios: melhor roteiro, ator (Paulo Tiefenthaler), fotografia e direção de arte. Nada mau, especialmente para um representante de um gênero que, ao menos no Brasil, não vem tendo destaque em festivais. Dirigido por Caito Ortiz, o longa tem inspiração no desaparecimento da taça Jules Rimet, em 1983 - mas apresenta os fatos em uma versão escrachada e bem longe do realismo.
No enredo, Tiefenthaler interpreta Peralta, um corretor de seguros que se enquadra no estereótipo de brasileiro: adora futebol, diverte-se mesmo que tenha problemas urgentes para resolver e adora uma malandragem. Com dívidas no jogo, ele recebe um ultimato da esposa, Dolores (papel de Taís Araújo). Em um sonho, ele vislumbra a possibilidade de dar uma guinada na vida roubando a Taça Jules Rimet - que a seleção brasileira trouxe para casa após a conquista do tricampeonato mundial, em 1970.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia