Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de outubro de 2016. Atualizado às 21h38.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Transparência

Notícia da edição impressa de 05/10/2016. Alterada em 04/10 às 19h48min

Custo para 'decifrar' impostos favorece sonegação

Até o final deste ano, cerca de R$ 500 bilhões devem deixar de entrar nos cofres públicos

Até o final deste ano, cerca de R$ 500 bilhões devem deixar de entrar nos cofres públicos


MARCELLO CASAL JR/ABR/JC
A complexidade do sistema tributário e os altos custos que as empresas brasileiras relatam para se adequar a ele explicam a complacência com a sonegação fiscal no País, avaliam especialistas. O fim da CPI do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, o Carf, na Câmara dos Deputados, sem a aprovação de um relatório trouxe a sensação de impunidade em relação aos empresários, companhias e entidades suspeitos de compra de sentenças para anular multas emitidas pelos conselheiros. O prejuízo aos cofres públicos é estimado em R$ 19 bilhões.
"Se existem paraísos fiscais, é porque existem infernos fiscais, e nós infelizmente vivemos em um deles", afirma Ana Claudia Utumi, advogada especialista em Direito Tributário da Tozzini Freire Advogados. "Somos líderes mundiais em complicar a vida do contribuinte", complementa.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia