Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de agosto de 2016. Atualizado às 18h20.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise política

Alterada em 29/08 às 18h22min

Fizemos auditoria no Bolsa Família em todos os anos, diz Dilma

A presidente afastada, Dilma Rousseff, afirmou nesta segunda-feira, 29, que, durante o seu governo, foram feitas auditorias anuais sobre o programa Bolsa Família, para identificar irregularidades entre os beneficiários. Segundo ela, em 2014, por exemplo, 1,3 milhão de pessoas estavam "desenquadradas e foram retiradas antes da eleição".
Dilma encerrou a sua resposta ao senador Ataídes de Oliveira (PSDB-TO), que foi o 25º a questionar a presidente, dizendo mais uma vez que considera que o devido processo legal do impeachment não está sendo respeitado.
O senador disse, ao fazer o seu questionamento a presidente Dilma, que o "diabo mora nos detalhes" e que a presidente pode perder mandato diante de dois crimes que constam no pedido e "de outros que possam vir".
Ataídes disse que preferia não fazer perguntas, mas que "o povo quer saber por que o Fies foi usado para ganhar as eleições". Segundo ele, os programas sociais "foram utilizados tão somente para ganhar as eleições."
O senador destacou ainda que a política econômica de Dilma foi equivocada e que hoje o Brasil "deve R$ 4 trilhões". "E em 2010, a dívida era de R$ 1,6 trilhão. O governo do PT gastou um rio de dinheiro", afirmou, destacando que o presidente em exercício Michel Temer "pegou uma herança maldita, vai ter que trabalhar muito" para tirar o país da crise.
A presidente afastada afirmou que o Brasil teve ganhos substanciais com a Lei de Cotas, "que permite que todos aqueles de renda baixa e que tenham cursado o ensino público possam acessar a universidade". "Mudou a cor da universidade pública, tornando mais democrática, sem diminuir a qualidade", disse.
A petista disse ainda que há uma literatura variada sobre desigualdade social e afirmou que a saída do Reino Unido da União Europeia está ligada à piora da desigualdade do país, em meio a um aumento da renda total. "A mesma coisa ocorre nos Estados Unidos, com certos fenômenos eleitorais", afirmou Dilma.
A presidente afastada também mostrou orgulho do programa Mais Médicos. "Como vamos explicar aos 63 milhões de brasileiros que tiveram, pela primeira vez, acesso a atendimento médico?", questionou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia