Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de agosto de 2016. Atualizado às 11h17.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Crise política

25/08/2016 - 10h59min. Alterada em 25/08 às 11h17min

Lewandowski abre julgamento de Dilma e avisa que a sessão não tem prazo para acabar

Presidente do STF preside plenário e descartou eventual antecipação do fim para dia 31

Presidente do STF preside plenário e descartou eventual antecipação do fim para dia 31


Marcelo Camargo/Agência Brasil/JC
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, afirmou nesta quinta-feira (25), logos após abrir o julgamento final da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado que a sessão não tem prazo para acabar. 
 Acompanhe ao vivo:
"O julgamento tem prazo para começar, mas não tem prazo para acabar. Desenvolveremos os trabalhos com toda tranquilidade, respeitando o devido processo legal, a ampla defesa e o contraditório", afirmou Lewandowski, após ser questionado pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ), aliado da presidente afastada.
O senador petista questionou o presidente do STF sobre rumores de que o presidente do Senado, Renan Calheiros, teria afirmado que o fim do julgamento final de Dilma poderia ser antecipado para a madrugada da próxima terça-feira (30), como desejam os aliados do presidente em exercício Michel Temer, um dia antes da previsão de encerramento previsto para quarta-feira (31).
No seu pronunciamento, Lewandowski lembrou que, a partir de agora, os senadores "transmutam-se em verdadeiros juízes". Nessa condição, o ministro disse que devem ser deixadas de lado posições ideológicas, preferências políticas e inclinações pessoais.
Para julgar a petista, o magistrado orientou que eles atuem “com a máxima isenção e objetividade, considerando os fatos tais como se apresentam nos autos do processo e as leis que sobre eles incidem”.
O ministro lembrou o Código de Ética da Magistratura: “o juiz no desempenho de sua árdua, mas ao mesmo tempo sublime missão, deve nortear-se em especial pelos princípios da independência, da imparcialidade, do conhecimento e da capacitação agindo com cortesia, transparência prudência, diligência, integridade, dignidade honra e decoro”.
Lewandowski esclareceu que será rígido e não vai permitir qualquer tentativa das partes para procrastinar o andamento do julgamento que, garantiu, começa hoje, mas não tem data certa para terminar, já que transcorrerá com toda tranquilidade.
Nesta quinta e sexta, os senadores vão ouvir as oito testemunhas arroladas no processo: duas da acusação e seis da defesa. O primeiro intervalo de uma hora da sessão desta quinta será às 13h e o segundo às 18h. A partir daí, a sessão será interrompida a cada quatro horas.
Com agência Estado e Brasil.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia